1919 - 1924, Cartas, Dívidas, Life in Letters, Maxwell Perkins

Garantias

Nova Iorque, 31 de dezembro de 1920

Caro Sr. Perkins:

Nesta tarde, o banco se recusou a me emprestar qualquer fundo mesmo tendo como garantia os investimento que tenho – e estou andando de um lado para outro já há uma hora tentando decidir o que fazer. Aqui, com o livro a ser concluído em umas duas semanas, tenho U$600 em contas a pagar e uma dívida de US$650 com Reynolds de adiantamento de um conto que estou terrivelmente incapacitado de escrever. Já iniciei o conto umas dozes vezes ontem e vou enlouquecer hoje se tiver que reinicia-lo ainda mais uma vez, que é o que eles realmente querem que aconteça.

Espero que, ao menos sendo honesto com a Scribner, poderia continuar com vocês. Mas já estou a ponto de estourar. Por acaso há alguma chance de você me dar algum adiantamento pelo novo romance, ao invés do pagamento dos contos de Natal que de qualquer forma têm prazo apenas em julho? E considerar a mesma taxa de juros que a Scribner têm com os bancos? Ou talvez você pudesse fazer um empréstimo mensal pela Scribner e Co. tendo meus próximos 10 livros em garantia? Preciso de US$1600.

Ansiosamente,

F. Scott Fitzgerald

 

 

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s