1900 - 1918, Amor, Cartas, Neste Lado do Paraíso, Zelda

Flores azuis chorosas

Após 15/03/1915

Para Scott,

Scott, meu amado querido – parece tudo tão sereno e macio, como este poente amarelo. Saber que eu sempre serei sua – que você de fato me possui – que nada pode nos separar – é tamanho alívio depois da tensão e do nervosismo do mês passado. Estou tão feliz que tenha vindo – feito o verão, bem quando eu mais precisava – e que me levou de volta com você. Esperar já não parece mais tão difícil. A vaga melancolia se foi – Eu amo você, meu amor.

Por que você foi comprar o “melhor no Exchange“? – Eu teria preferido uma outra variedade qualquer, de dez centavos o quarto de litro – eu só quis porque sabia que você adora a doçura – Respirar e saber que você adora o cheiro – Eu acho que gosto mais de sentir o cheiro dos jardins e das mariposas ao entardecer do que o cheiro dos belos quadros ou de bons livros – Parece ser o mais sensual dos sentidos. Alguma coisa em mim vibra com um cheiro sonhador de poente – um cheiro de sombras e de luas agonizantes.

Passei o dia inteiro no cemitério, hoje. Na verdade, não é bem um cemitério, você sabe – tentando destrancar uma campa enferrujada de uma sepultura construída na encosta do morro. Está toda esboroada e coberta de flores chorosas de um azul aguado, que podem ter nascido de olhos mortos – grudentas ao toque e com um cheiro enjoativo – Os rapazes queriam entrar lá para testar meus nervos – hoje à noite – Eu queria me sentir “William Wreford, 1864“. Porque os túmulos fazem as pessoas se sentirem vãs? Ouvi isso tantas vezes e Grey é tão convincente, mas, sei lá por quê, não consigo ver nada de inútil em ter vivido – Todas as colunas quebradas, mãos postas, pombas e anjos, tudo isso significa romance – em, em cem anos, acho que vou gostar de ver gente jovem curiosa para saber se eu tinha olhos castanhos ou azuis – claro que não são nem uma coisa nem outra – tomara que meu túmulo tenha em volta um ar de muitos anos atrás – Não é engraçado isso, que de uma fileira de soldados confederados, dois ou três nos façam pensar em amores e amantes mortos – quando são idênticos, todos eles, inclusive para o musgo amarelado? A morte antiga é tão bela – tão bela de fato – Nós haveremos de morrer juntos – Eu sei –

Meu bem

Zelda

Trecho retirado do livro Querido Scott, Querida Zelda, de Jackson R. Bryer & Cathy W. Barks.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s