1900 - 1918, Amor, Cartas, Neste Lado do Paraíso, Zelda

Flores azuis chorosas

Após 15/03/1915

Para Scott,

Scott, meu amado querido – parece tudo tão sereno e macio, como este poente amarelo. Saber que eu sempre serei sua – que você de fato me possui – que nada pode nos separar – é tamanho alívio depois da tensão e do nervosismo do mês passado. Estou tão feliz que tenha vindo – feito o verão, bem quando eu mais precisava – e que me levou de volta com você. Esperar já não parece mais tão difícil. A vaga melancolia se foi – Eu amo você, meu amor.

Por que você foi comprar o “melhor no Exchange“? – Eu teria preferido uma outra variedade qualquer, de dez centavos o quarto de litro – eu só quis porque sabia que você adora a doçura – Respirar e saber que você adora o cheiro – Eu acho que gosto mais de sentir o cheiro dos jardins e das mariposas ao entardecer do que o cheiro dos belos quadros ou de bons livros – Parece ser o mais sensual dos sentidos. Alguma coisa em mim vibra com um cheiro sonhador de poente – um cheiro de sombras e de luas agonizantes.

Passei o dia inteiro no cemitério, hoje. Na verdade, não é bem um cemitério, você sabe – tentando destrancar uma campa enferrujada de uma sepultura construída na encosta do morro. Está toda esboroada e coberta de flores chorosas de um azul aguado, que podem ter nascido de olhos mortos – grudentas ao toque e com um cheiro enjoativo – Os rapazes queriam entrar lá para testar meus nervos – hoje à noite – Eu queria me sentir “William Wreford, 1864“. Porque os túmulos fazem as pessoas se sentirem vãs? Ouvi isso tantas vezes e Grey é tão convincente, mas, sei lá por quê, não consigo ver nada de inútil em ter vivido – Todas as colunas quebradas, mãos postas, pombas e anjos, tudo isso significa romance – em, em cem anos, acho que vou gostar de ver gente jovem curiosa para saber se eu tinha olhos castanhos ou azuis – claro que não são nem uma coisa nem outra – tomara que meu túmulo tenha em volta um ar de muitos anos atrás – Não é engraçado isso, que de uma fileira de soldados confederados, dois ou três nos façam pensar em amores e amantes mortos – quando são idênticos, todos eles, inclusive para o musgo amarelado? A morte antiga é tão bela – tão bela de fato – Nós haveremos de morrer juntos – Eu sei –

Meu bem

Zelda

Trecho retirado do livro Querido Scott, Querida Zelda, de Jackson R. Bryer & Cathy W. Barks.

1900 - 1918, Cartas, Lugares, Zelda

O Túmulo Wreford

Perto de uma erosão crescente em Oakwood, há uma câmara que não costuma ser avistada pelo visitantes. Essa câmara foi construída na encosta e não parece ser mais do que uma laje estranha na lateral da estrada. Esse túmulo só pode ser acessado se o visitante descer a ribanceira para realmente encontrar a entrada. A lenda associada com esse túmulo escondido é que se você bater na porta três vezes e fizer alguma pergunta, alguém vai lhe responder. Por mais estranha que essa estória pareça, a verdadeira história é tão estranha quanto. O homem que está enterrado lá é Samuel Phippin Wreford. Ele era um mercador de sucesso que trabalhada na Avenida Dexter. O Mausoléu foi originalmente desenhado para abrir 8 familiares da família Wreford. Ele foi enterrado em um caixão de metal na forma de uma canoa. A razão do caixão ser uma canoa de metal ninguém sabe.

Trecho do livro Haunted Alabama, de Faith Serafin, 2013.

 

1900 - 1918, Cartas, Life in Letters

Os Assuntos Gerais da Conversação

Para Annabel (1915)

62995729_26a3fc0a59

Uma conversa é a graça de uma arte cultivada. Somente aos poucos acontece naturalmente. Você é, como sabe, não muito boa conversadeira e, naturalmente, me perguntará: “Sobre o que os garotos gostam de conversar?”

(1) Garotos gostam de falar sobre si mesmos – mais até do que as garotas. Uma menina chamada Helen Walcott uma vez me disse (e ela era a debutante mais popular durante um inverno em Washington) que a partir do momento em que ela fazia um garoto falar de si mesmo era quando ela o tinha na palma da mão – e eles se entregavam. Aqui estão algumas perguntas principais para uma garota tirar proveito:

a) Você dança ainda melhor do que no ano passado

b) Qua tal me dar a sua gravata quando você a tirar?

(c) Você tem cílios tão compridos! (Isso vai deixá-lo envergonhado, mas ele vai adorar)

d) Soube que você tem uma “cantada”!

e) De quem você gosta?

Evitar

(a) Quando você vai voltar para a escola?

(b) Quando foi que você voltou para casa?

(c) Está quente ou a banda é boa ou a pista é legal.

Também evite qualquer conversa sobre relacionamento e amigos em comum. Um sinal claro que você estará pronta para conversar é perguntando a Jack Allen sobre Harriette ou Tuby sobre Martha. Não fique com medo de gírias – use-as, mas tenha certeza de escolher as mais modernas e descoladas como “cantada”, “camuflagem”, etc. Nunca converse com um rapaz sobre a escola ou colégio a não ser que ele tenha feito alguma coisa muito especial, ou apenas se ele mesmo tenha iniciado o assunto. Numa conversação, é sempre bom começar conversando sobre nada – dê uma disfarçada; mas que você comece, nunca deixe o rapaz começar. Nunca fale do seu colégio, não importa onde estiver. Nunca cante, não importa quão grande seja o côro.

À medida em que você ficar um pouco mais velha você vai perceber que os garotos falam muito sobre fumar e beber. Sempre seja bem liberal – garotos detestam uma carola – diga que você não acha nada de mais meninas fumarem, apenas que não gosta de fazê-lo. Diga que você apenas fuma charutos – brinque com eles! – Quando você ficar mais velha tenha sempre na ponta da língua as últimas peças de teatro e as músicas da moda. Homens gostam mais disso do que você imagina.

Durante uma conversação seja sempre franca, mas nunca mais franca do que você deseja mostrar. Nunca tente provocar um rapaz o fazendo achar que você é popular – Ginevra sempre diz que é uma menina impopular e sem graça. Sempre preste atenção no garoto. Olhe dentro de seus olhos o máximo possível. Nunca mostre tédio. É terrivelmente difícil fazê-lo graciosamente. Aprenda a ter desenvoltura. Lembre que na sociedade, nove entre dez meninas casam por dinheiro e que nove em cada dez homens são idiotas.