Fitzgerald Hemingway Annual 1969, RL Samsell, Texto Academico

Hollywood – Não Era Tão Ruim Assim por RL Samsell

Tradução livre do texto “Hollywood – It Wasn’t All That Bad” escrito por R. L. Samsell para o Fitzgerald/Hemingway Annual 1969. Todos os direitos do texto são pertencentes à The National Cash Register Company e aos seus respectivos autores. A publicação desse texto visa apenas tornar a obra e estudos sobre F. Scott Fiztgerald acessível aos estudantes de língua portuguesa visto que o acesso ao anuário não é disponível em todos os países. A publicação desse texto não traz nenhum benefício financeiro ao blog. 

***

A foto de F. Scott Fitzgerald me olha de cima. Eu franzo a sobrancelha. Ele sorri. O que eu quero – realmente quero – é me tornar um morimbundo amadamente esquecido da mesma forma que ele era quando chegou a Hollywood em julho de 1937. Um grande perdedor patético e carente. Ganhando uns mil dólares por semana, sofrendo semanalmente para ganhar aquele aumento para mil duzentos e cinquenta. Que dificuldade. Aqueles anos eram de inflação também. Um dólar não valia nada. Com certeza o velho Scott sofreu.

Já pensou nas decisões que ele tinha que tomar? Vamos ver – “Será que eu devo ir ao Troc ou ao The Players? Ei, Sheilo, vamos jantar no Musso & Frank.”

E também havia as livrarias. Stanley Rose era a melhor, a mais amigável. “Talvez nós encontremos o Pep West lá. Okay?”

Claro, seus amigos não eram tantos. E eram infernalmente tediosos – Robert Bencheley, Charlie Butterworth, John O’Hara, Nunnally Johnson, Dorothy Parker. Certamente só davam para o gasto.

Também, será que ele deveria escrever algum outro conto do Pat Hobby, ou será que já era hora de começar outro novo, enorme e maravilhoso romance? Oh, deveria ter sido muito complicado, está bem. Será que ele deveria enviar a Scottie para a Europa no verão de 38? Que tal Vassar? Não é uma escola ruim. Será que eles deveriam ir à festa da Norma Shearer? Pep, ele está dando uma festa também. Mas cadê o tempo para escrever para John Biggs, S.J. Perelman, Arnold Gingrich, Tomas Wolfe, Helen Hayes, Gerald Murphy, Edmund Wilson, Budd Schulberg, Max Perkins, Ernest Hemingway? Como Pearl Bailey costumava cantar – “Não é uma turma ruim para se encontrar”.

Então havia os problemas práticos. Como mudar-se do Garden of Allah para a casa de praia em Malibu. Será que o Allah custava realmente quatrocentos dólares ao mês? Em Malibu, por exemplo, ele conseguia pagar um empregado. Depois, em Horton Belly Acres, ele conseguia pagar uma secretária para ajudá-lo com o livro. Finalmente, o apartamento em North Laurel Avenue era, e ainda é, um local imponente e atrativo.

Continue lendo “Hollywood – Não Era Tão Ruim Assim por RL Samsell”