1919 - 1924, Amor, Cartas, Espiritismo, Morte, Zelda

Mensagem do Além

05/1919

Para Scott,

Um lindo filhote dourado de gato seria ótimo – só que eu não trocaria meu gato por dois desses, e ele ainda por cima acabaria matando o mais novo – Além disso, perdi minha escova e meu espelho no Ford de Cobb e adoraria ter um com flores cor-de-rosa nas beiradas. Desde que você venha, querido –

A Sra. Francesca – que nunca ouviu falar em você – recebeu uma mensagem no Ouija para mim. Não havia mão de ninguém, a não ser a dela – e o tabuleiro nos disse para casarmos – que somos almas gêmeas. Os teosofistas acham que duas almas gêmeas encarnam juntas – não necessariamente ao mesmo tempo, mas se acasalam – desde o tempo em que as pessoas era bissexuais, portanto, você vê que “alma gêmea” não é só coisa que sai na Snappy Story, no fim das contas. Eu nunca consigo receber nenhuma mensagem, mas a coisa de fato se mexeu para mim ontem à noite – só que não conseguiu dizer nada além de “morta, morta” – de modo que fiquei com medo e fui embora. É de fato extraordinário, mesmo que você queira zombar. Eu preferia que você não o fizesse porque é fácil demais; acreditar é muito mais inteligente.

Vamos para Ashville em julho – está decidido – mas teremos alguma dificuldade com os “trinta luares” – receio que em algumas noites falte lua – Mas, amor, nós estaremos juntos um mês inteiro – e as luas, no fundo, não importam nem um pouco. Acho que vou cortar o cabelo e isso pode provocar furor. Gostaria que você me dissesse que vai lhe agradar – ninguém me incentiva – mas pense como seria bom na água. Eu com toda certeza vou ficar um horror.

O “Red” disse ontem à noite que eu era a criatura mais rosa e branca que ele já tinha visto na vida, de modo que adormeci em seu colo. Claro que você não se importa porque foi tudo muito fraterno e estávamos acompanhados de três moças.

Querido Scott – venha, por favor – eu amo você com tudo que tenho dentro de mim – e ficarei tão, tão contente de vê-lo – vamos representar o vaudevile no dia 20 – quem sabe você queira assistir – mas estamos no meio de uma tremenda reviravolta – o elenco está sendo revisto – e acho que eles não vão me deixar cantar – o engraçado é que eu acho que canto muito bem.

Olhe só esse pulso – enferrujou e está sofrendo de espasmos – Então traduza para o que eu estou sempre pensando – Amor

Zelda

1900 - 1918, Amor, Cartas, Neste Lado do Paraíso, Zelda

Flores azuis chorosas

Após 15/03/1915

Para Scott,

Scott, meu amado querido – parece tudo tão sereno e macio, como este poente amarelo. Saber que eu sempre serei sua – que você de fato me possui – que nada pode nos separar – é tamanho alívio depois da tensão e do nervosismo do mês passado. Estou tão feliz que tenha vindo – feito o verão, bem quando eu mais precisava – e que me levou de volta com você. Esperar já não parece mais tão difícil. A vaga melancolia se foi – Eu amo você, meu amor.

Por que você foi comprar o “melhor no Exchange“? – Eu teria preferido uma outra variedade qualquer, de dez centavos o quarto de litro – eu só quis porque sabia que você adora a doçura – Respirar e saber que você adora o cheiro – Eu acho que gosto mais de sentir o cheiro dos jardins e das mariposas ao entardecer do que o cheiro dos belos quadros ou de bons livros – Parece ser o mais sensual dos sentidos. Alguma coisa em mim vibra com um cheiro sonhador de poente – um cheiro de sombras e de luas agonizantes.

Passei o dia inteiro no cemitério, hoje. Na verdade, não é bem um cemitério, você sabe – tentando destrancar uma campa enferrujada de uma sepultura construída na encosta do morro. Está toda esboroada e coberta de flores chorosas de um azul aguado, que podem ter nascido de olhos mortos – grudentas ao toque e com um cheiro enjoativo – Os rapazes queriam entrar lá para testar meus nervos – hoje à noite – Eu queria me sentir “William Wreford, 1864“. Porque os túmulos fazem as pessoas se sentirem vãs? Ouvi isso tantas vezes e Grey é tão convincente, mas, sei lá por quê, não consigo ver nada de inútil em ter vivido – Todas as colunas quebradas, mãos postas, pombas e anjos, tudo isso significa romance – em, em cem anos, acho que vou gostar de ver gente jovem curiosa para saber se eu tinha olhos castanhos ou azuis – claro que não são nem uma coisa nem outra – tomara que meu túmulo tenha em volta um ar de muitos anos atrás – Não é engraçado isso, que de uma fileira de soldados confederados, dois ou três nos façam pensar em amores e amantes mortos – quando são idênticos, todos eles, inclusive para o musgo amarelado? A morte antiga é tão bela – tão bela de fato – Nós haveremos de morrer juntos – Eu sei –

Meu bem

Zelda

Trecho retirado do livro Querido Scott, Querida Zelda, de Jackson R. Bryer & Cathy W. Barks.

1900 - 1918, Cartas, Lugares, Zelda

O Túmulo Wreford

Perto de uma erosão crescente em Oakwood, há uma câmara que não costuma ser avistada pelo visitantes. Essa câmara foi construída na encosta e não parece ser mais do que uma laje estranha na lateral da estrada. Esse túmulo só pode ser acessado se o visitante descer a ribanceira para realmente encontrar a entrada. A lenda associada com esse túmulo escondido é que se você bater na porta três vezes e fizer alguma pergunta, alguém vai lhe responder. Por mais estranha que essa estória pareça, a verdadeira história é tão estranha quanto. O homem que está enterrado lá é Samuel Phippin Wreford. Ele era um mercador de sucesso que trabalhada na Avenida Dexter. O Mausoléu foi originalmente desenhado para abrir 8 familiares da família Wreford. Ele foi enterrado em um caixão de metal na forma de uma canoa. A razão do caixão ser uma canoa de metal ninguém sabe.

Trecho do livro Haunted Alabama, de Faith Serafin, 2013.